Um sentimento chamado talvez

Talvez, hoje eu passe por você com a cabeça baixa e nem te cumprimente; talvez eu não sorria para você, quando me abraçar; talvez eu não retribua o gesto, nem todas as pessoas são abertas a afetividades, e talvez eu seja uma delas.

Não sou anti social ou algo parecido, ok, talvez eu seja, enfim, não importa. Talvez me ache antipática ou simplesmente triste, só não espere que sentarei na grama verde de sua casa e fale porque me sinto assim, nem que você me ofereça uma xícara de chocolate quente e bolo de chocolate, mas talvez, isso me faça sorrir ao menos um pouco.

Talvez eu não queira falar de mim, é que não tenho muito pra contar, minha vida é igual e ao mesmo tempo diferente de muitos.

Ou talvez porque tenham levado partes de mim, me modificado e eu simplesmente seja assim, calada e triste; ou talvez eu seja feliz de uma maneira diferente da sua, mesmo que não acha ser possível.

Talvez eu só esteja cansada; talvez eu só precise que desvie o assunto de mim; talvez eu precise simplesmente relaxar e apreciar sua companhia; talvez eu espero que me mostre lugares diferentes, me conte uma história, me ensine algo.

Talvez meu desejo seja que me tire da monotonia, do cansaço, da tristeza, e de qualquer coisa que ache que eu tenha para dedicar seu tempo a mim, mesmo que sejam 2 minutos.

Não serei um desperdício de tempo; mas também não serei especial, apenas alguém que precise de outro alguém, como você talvez possa precisar.

Anúncios

QUANDO FALO DE MODISMO

Tenho reparado, quando entro no facebook principalmente, que basta algum assunto ser polêmico, ou alguma matéria no jornal ser fantástica demais pra não ser notada que muita gente começa a comentar como se fosse a voz da razão, o que muitas vezes, não passa de um senso comum infiltrado na mente das pessoas que se dizem formadores de opinião.

E é por aí que surgem as discussões mais repetitivas do mundo, por muitas vezes sem nada pra acrescentar, com metade das pessoas compartilhando a mesma opinião, só trocando uma palavra ou outra em seus argumentos, e a outra metade rebatendo com argumentos que por muitas vezes não fazem sentido algum.

Para exemplificar o que quero dizer, vou pegar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, aprovado como lei em todas as regiões nos  EUA

Muita gente estava a favor e muita gente contra, dentre os contra ouvi muito coisas como deveriam estar combatendo a fome, e dentre os a favor a resposta era quase sempre, uma coisa não anula a outra, e só.

Claro que teve gente que expressou idéias bem relevantes, mas, se eu não estou errada, foram poucas, se comparadas as pessoas vítimas do  senso comum que sentiram necessidade de comentar a respeito e decidem que precisam argumentar, para defender um ponto de vista, porque o assunto está na moda e não pode ser deixado de lado.

Entendo que sim, defender uma ideia é importante, até porque não estamos na ditadura de boca e olhos fechados para tudo, nem precisamos aceitar as coisas simplesmente porque estão ali, mas, acredito que as pessoas deveriam ler, assistir, e discutir  mais antes de publicar algo a respeito de qualquer coisa, pois, não estarão sendo formadores de opinião e sim formadores de senso comum, dizendo o que todo mundo já sabe.

É muito mais produtivo argumentos objetivos, claros e construtivos do que discussões sem algum fundamento, além de provocações,   que não acrescentam nada na vida de ninguém

É preferível ler algo com conteúdo, argumentos, objetivos e idéias claras sobre o que o autor, blogueiro está querendo dizer, mesmo que o assunto passe a ser da moda e que talvez caia no esquecimento , ao menos contribuirão para o raciocínio de alguém, ajudarão uma pessoa a correr a trás de algum conhecimento, e que sim, mostrarão que podemos ter opiniões sobre algo, expressando a través da escrita, não somente dela mas por meios orais, também.

Ideias embasadas, são capaz de nos fazer correr a trás do que pensamos para tirarmos nossas próprias conclusões e compartilhar com o outro, consequentemente, aprender com ele algo significativo.

Como exemplo quero deixar um link de uma blogueira, que ficou um tempo , refletindo e aprendendo sobre um certo assunto para depois, escrever o texto.

O link que vou compartilhar mostra como faz diferença se informar sobre o que quer se expressar, leiam todo o texto, se fizeram o favor de chegar ao fim deste, porque sim, é relevante e garanto que levarão vocês a pensarem  sobre alguma coisa, ao menos.

Link Aqui

Ampliando Universos musicais – Conhecendo MPB

Já tive fases musicais bem loucas, geralmente refletiam o que estava sentindo e como eu queria ser para tentar me encaixar no meio social. Me sinto aliviada ao saber que as fases passam, felizmente, pois já ouvi cada coisa que pelo amor.
Hoje escuto o que gosto seja rock ou mpb, desde que tenha uma melodia boa; um arranjo que me chame a atenção; as cantoras com uma voz agradável aos ouvidos é o suficiente; e se tratando de mpb, estou descobrindo do que gosto.
Comecei a ouvir mpb faz pouco tempo com “Maria Gadu”, Megh Stock”, Clarice Falcão”, e uma playlist que peguei de uma pessoa fofa Tive o prazer de conhecer “Filipe Cato” Um Cantor muito bom, diga-se de passagem. As letras são repletas de um amor sofredor intenso, e com uma melodia de tango dá um ar bem agradável de se ouvir, e em algumas músicas, vontade de sair pulando tipo “Roupa do Corpo”, apesar da letra, o que não acontece com “Saga” por exemplo, que, se a pessoa estiver sofrendo de amor, aí ela chora.
Conheci também a “Ana Larousse”, hoh, porque eu não procurei essa mulher antes? Gente, as músicas são incríveis, relaxantes, com letras bem feitas, que sempre transmitem memórias em nós, , sejam de nosso passado quanto no dia a dia mesmo. E, a melodia, é bem construída, é lindo. Certamente fui atrás de baixar mais músicas da Ana e confesso que apaixonei *-*
Há outros cantores de MPB que passei a ouvir, mas, se eu for listar aqui, o poust ficará muito grande, risos, agradeço se lerem até aqui.

Ana Larousse – Tudo Começou Aqui – (2013) – Álbum Completo

Filipe Catto – Saga

Filipe Catto – Roupa Do Corpo

Beijos e muitas músicas pra vocês nessa semana!

Hoh… Obrigada…

E eu simplesmente gosto de seus textos. Talvez porque eles discorrem um pouco de mim, talvez, porque me perco nas palavras, busco entender as frases subjetivas, embora eu não seja capaz de interpretá-las corretamente. Talvez, porque, seus escritos são tão cheios de figuras de linguagem o que os tornam únicos. Sua escrita É única, carrega seu nome e sobrenome, o que faz bela, sim. Seu nome as faz bela, uma beleza tão sua, simples, ou, não tão simples assim. Enfim, o fato é, que gosto do que escreve, me alegro com cada texto novo seu em minha caixa de entrada, mesmo depois de lê-los, não os excluo, simplesmente, gosto de guardá-los como um presente que me dá, a cada vez que escreve, mesmo você não sabendo disso.

Das coisas simples que esqueço.

E você me pediu aquele livro. Lembro de ter falado que iria lhe
Enviar, mas, esqueci, como sempre, esqueci.

Talvez, isso não seja novidade…

Sempre esqueço das coisas simples, como enviar um livro para alguém,
Procurar uma música que gosto e baixar para ouvir depois; esqueço de
Assistir vídeos que me são indicados, bem como filmes e séries; esqueço
De levar isso ou aquilo, de dizer certas coisas; esqueço de datas
Especiais, acredite, não faço por mal. Simplesmente esqueço. Então, se me disser o dia de seu aniversário, não conte com meus parabéns, a não ser, que você seja muito importante para mim, realmente importante.

Não leve a mal, por favor, minha mente só não me permite lembrar de coisas simples, não exatamente insignificantes.

Mas os momentos que me marcam de alguma forma, há! Desses eu me
Lembro… Me transporto para certos dias, horas, minutos… Com olhos
Fechados, sinto o cheiro do perfume, o toque das mãos, os carinhos no
Cabelo; ouço aquele sorriso brilhante e cativante, bem como as piadas
Sem sentido, as histórias relevantes…

Às vezes, lembro deles com clareza. Há aqueles que não consigo lembrar exatamente como foi, mas, então, surgem as histórias, sem propósito algum.

Minha mente é dispersa, sinestésica, desfocada e totalmente imaginativa, É inevitável raciocinar, imaginar, viver, e remontar, sem alguma pausa.

Não é preciso que alguém diga que não sou normal, sei disso. Não é necessário que digam, que sou esquecida, estou ciente do fato.

Quer uma dica? Faça o meu dia com apenas uns momentos marcantes, de alguma forma, e eu me lembrarei de você.

Alguém que não se vai

Há aquelas pessoas que chegam a nossas vidas, sentam-se, pedem uma xícara de café e lá ficam; batendo papo nas tardes tediosas, nos fazendo companhia, contando segredos, piadas, compartilhando gostos literários e musicais.

Os sorrisos chegam espontaneamente, são marcantes, daqueles que ficam na memória. Assim como o cheiro daquele perfume inesquecível.

Há os toques; de carinho, conforto, são um remédio para a alma, acalmam o coração, afastam as tristezas, tiram os espinhos que as rosas deixaram.

E assim os dias permanecem, com essa pessoa marcando presença cotidianamente, até… A partida…
Partida essa que dói, torna-se inaceitável. A pessoa nunca se vai, não realmente. Podem ter ido os cheiros, as risadas, os toques… Mas a essência permanece, com uma parte de nós, que só talvez, nunca se partirá.

Sem título, sem propósito.

Ao cair da noite ensolarada, senti aquela vontade forte de escrever. Não
pensei em um tema, minha mente permanecia sem ideias.

Não queria falar do sol brilhante nem dos pássaros cantando lá fora,
muito menos das flores que enfeitam meu jardim, nem Do dia corriqueiro que
tive, tão pouco.

Tentei pensar em algo para me inspirar. Uma música, talvez. Não obtive
sucesso, as únicas que viam em minha mente eram em japonês, e, não domino
o idioma.

Lembrei da última leitura que fiz e decidi fazer uma resenha, mas logo a
ideia foi descartada, pois, aquele não era um dia para resenha de livro.

Decidi, por fim, escrever frases sem algum propósito ou sentido, que
dariam forma há um texto sem regras. Não queria escrever sobre nada, mas
falar sobre alguma coisa. A vontade de escrever, que chega, insiste, me
desespera para criar algo. Ela faz isso comigo, não para de gritar
palavras na minha mente enquanto eu não as coloco no word. Se, esse
texto é sem sentido, somente composto por palavras vazias, não culpe a
mim, eu redigi, sim, mas comandada pela vontade de escrever.